O termo ansiedade provém do grego Anshein que significa oprimir/sufocar, sendo a angústia termo correlato a qual exprime a experiência subjetiva, estando ambas sempre associadas à manifestações de sintomas corporais.

Todos nós possuímos ansiedade, em maior ou menor grau, e isso faz toda a diferença. A ansiedade e o gosto antecipado do futuro é um frio na barriga, aquele pensamento do que vai acontecer em breve, que lhe acompanha na cama. Quando a ansiedade é “saudável”, é uma mola propulsora das expectativas de como será uma viagem tão esperada, o primeiro dia do novo emprego, o casamento, o nascimento de um filho, e tantas outras coisas fantásticas que acontecem na vida. Ela nos faz antecipar para estarmos “prontos e preparados” (na medida do possível, rs). É como diz a música: “É preciso estar atento e forte, não temo tempo de temer a morte.”.

Mas quando este sentimento está exagerado, a ansiedade é definida como estado de humor desagradável, apreensão negativa em relação ao futuro e inquietação desconfortável, incluindo manifestações somáticas e psíquicas. É uma resposta a uma ameaça desconhecida, interna, vaga e conflituosa; isso a diferencia do medo que, embora seja um sinal de alerta semelhante, é uma consequência a uma ameaça conhecida, externa, definida e sem conflitos, geralmente um objeto preciso.

Existem alguns tipos de transtorno de ansiedade, porém o mais comum é o Transtorno de Ansiedade Generalizada que apresenta medo excessivo, preocupações ou sentimentos de pânico exagerados e irracionais a respeito de várias situações. Constantemente tensos, dão a impressão de que qualquer situação é, ou pode ser, provocadora de ansiedade. 

Estão sempre muito preocupadas com o julgamento de terceiros em relação ao seu desempenho em diferentes áreas e necessitam, exageradamente, que lhes renovem a confiança e  as tranquilizem. Pense numa pessoa que não consegue relaxar de jeito nenhum, está preocupada com tudo e  todos, com a sensação de que algo ruim pode acontecer. Os principais sintomas são: 

  1. Enxergar perigo em tudo;
  2. Apetite desregulado;
  3. Alterações de sono;
  4. Tensão muscular;
  5. Medo de falar em público;
  6. Preocupações em excesso;
  7. Ficar sempre próximo de ataques de nervos;
  8. Medos irracionais;
  9. Inquietação constante;
  10.  Sintomas físicos;
  11.  Pensamentos obsessivos;
  12.  Perfeccionismo;
  13.  Problemas digestivos.

Essas pessoas precisam de ajuda, possuem um transtorno de ansiedade e sofrem exaustivamente com sintomas, com os sentimentos negativos e vivendo em prisões dentro de si. O tratamento deve ser psicoterapia e, em alguns casos, em conjunto com o psiquiatra. Como também, uma vida regrada com exercícios físicos, uma boa alimentação e um sono reparador regulares sendo pré-requisitos para uma vida saudável física e psiquicamente.

Pode acreditar! Depois do tratamento, “amanhã há de ser outro dia”, um dia de paz, calma, alegria, sem preocupações excessivas. 

Um dia de vida!

Thelma Domingues

Psicóloga e Psicopedagoga Clínica - CRP: 05/56218

Compartilhe!

Posts recentes

Vamos conversar?

Entre em contato – por WhatsApp

Newsletter