Forçados a ficar em casa por causa do COVID-19, em função de sua alta taxa de transmissão, estamos aprendendo a inovar e readequar nosso cotidiano, de modo a melhor nos organizarmos e vivermos nesse novo modelo de vida. E o trabalho, claro, não está ausente dessas adaptações.

O Home Office já é uma modalidade de trabalho conhecida, porém, ainda não era utilizada em larga escala, até o presente momento. A possibilidade de trabalhar de casa pode parecer um sonho realizado, certo? Em tese sim, mas na prática tem se mostrado um grande desafio. Organizar o trabalho dentro da rotina domiciliar envolve, dentre outras funções: separar tempo necessário, encontrar um espaço adequado para trabalhar, lidar com a demanda de atenção dos filhos, dos pais e/ou de animais de estimação, por exemplo. Em casa, também, somos reféns do excesso de informação: as redes sociais e os aplicativos no celular, a Netflix, a geladeira à disposição, e até mesmo a cama, podem ficar ainda mais atrativos nesse período, Consequentemente, se tornando uma “fuga” das responsabilidades.

Além dos estímulos que atrapalham o enfoque no trabalho em casa, há também a dualidade “descanso X produtividade”, sendo mais uma questão nessa época de quarentena e isolamento social. O sentimento de necessidade de ter que produzir, de não poder parar e ter que estar mais ativo do que nas condições comuns de trabalho, entra em conflito com a demanda de parar, de refletir um pouco, descansar e cuidar de nós mesmos, considerando, também, que não haverá outro momento como esse tão cedo.

Mas qual é o lado certo, e qual é o lado errado?

Nessa “batalha” não há certo ou errado. Cabe a cada um perceber e entender suas necessidades imediatas, já que estamos em uma situação em que não temos o controle ou previsão quanto ao seu fim. Assim, fazer o possível, dentro de nossas limitações atuais, pode sim ser o bastante.

Algo que nenhum de nós pode negar neste momento, é que a tecnologia digital está se mostrando cada vez mais necessária e útil. Operadoras de internet sobrecarregadas, aumento do uso das redes sociais, diversas lives acontecendo por dia, reuniões por videochamada… Aquilo que sempre causou polêmica quanto seu uso, hoje é uma ferramenta de trabalho e de lazer, e ainda tem desempenhado um importante papel de manutenção da sanidade mental.

Há uma grande possibilidade de que os diversos modos de se trabalhar continuem a se modificar e se digitalizar, especialmente após esse período onde estamos sendo forçados a ressignificar o que antes era apenas meio de entretenimento. Os smartphones atualmente são utilizados como uma extensão de nós mesmos e, se estamos num contexto em que nossas opções de modo de trabalho estão limitadas, que utilizemos todo o potencial de nossas ferramentas.

Este mesmo texto que você está lendo no Blog, por exemplo, é mais uma evidência de que o trabalho pode, de fato, se apresentar de diversas formas. Então, além de te convidar a refletir sobre como você pode adaptar sua forma de trabalhar, te convido também a dar uma olhada em nossos outros textos, pois acredito que terá algum que possa te ajudar, ou mesmo ajudar um familiar ou conhecido seu em suas questões interiores.

Pedro Diniz Bernardo

Psicólogo - CRP: 05/48864

Compartilhe!

Posts recentes

Vamos conversar?

Entre em contato – por WhatsApp

Newsletter