O mundo hoje é urgente, é imediato e permeado por muitas informações. É ruidoso e nos faz ficar sem nosso espaço de reflexão.
A internet, ferramenta poderosa para cultura de maneira geral, cai em nossas mãos e fazemos uso desta como crianças que não sabem ainda a fronteira do que o fará bem ou mal. Estudos já apontam para os inúmeros prejuízos causados para o uso excessivo de tecnologia que vão de distúrbios de comportamento e humor à depressão.

Em 2019, a OMS lançou uma recomendação para o uso demasiado tecnologias especialmente em crianças, e nos lança a outra questão: Aonde está seu filho agora? Como está seu filho agora?

Confira cartilha da OMS por idade no link.

Mas isso é assunto para outra reflexão, então, voltemos.
Juntamente com essa demanda exagerada de informações por meio de smartphones, tablets e afins, nos percebemos imersos a uma ansiedade exagerada, muitas vezes acompanhada de sintomas como: dores de cabeça, taquicardia, distúrbios de sono, problemas de visão etc. E neste campo digo literalmente, aonde está nossa VISÃO? para onde estamos dirigindo nossos olhares? Quem nunca se pegou fazendo uma “maratona” de séries ou mesmo rolando aplicativos de fotos por minutos, ou até horas sem tirar nada de importante de lá?
Dito isso, observamos outra demanda das mídias e tecnologias. Percebemos que nas grandes plataformas como Instagram e youtube, pessoas oferecem a todo o tempo curas milagrosas e receitas infalíveis que muitas vezes não são aplicáveis aos gurus detentores da sabedoria. MUDE SUA VIDA AGORA; CLICK AQUI!!!

São pessoas ensinando aos outros como serem ricos e como fácil é ganhar o primeiro milhão. Vidas perfeitas e completamente felizes nas telas, adoecendo aqueles que acham as suas vidas são péssimas perto da maioria do mundo ideal, do post e self perfeitos. Afinal quem fica triste hoje? Se estiver triste é só colocar um filtro, não é?

Pessoas com grande empreendimento no corpo ou no físico, que se dedicam anos a ter uma conduta saudável de alimentação e exercícios, nos ensinam a ter a barriga perfeita em 20 dias, perder 20 kg em uma semana etc.

Gurus de vida nos ensinam o que chamam de “cocriar” sucesso, sem ao menos eles mesmos nunca terem experimentado ou experienciado tal circunstância. Gurus do amor, do dinheiro da riqueza, do sucesso… e por aí vai.

Por outro lado, o imediatismo está aí, diante de todos nós, facilitando nossas demandas urgentes. A atitude, por exemplo, de pedir uma comida, hoje é simplificada por vários apps que não nos fazem esperar mais do que uma hora. Pegamos o aparelho e voilà, a comida chegou.

Se tenho uma dúvida, recorro ao Google e em segundos obtenho o conhecimento sobre tal assunto, tudo mecânico, tudo imediato. O que não seria nada danoso se soubéssemos fazer bom uso disso tudo. Acontece, que acabamos por acreditar que tudo deve ser desta maneira, tudo deve ter a mesma urgência e nos perdemos em medicações para dormir, aperto no peito e uma sensação de vazio que “não se sabe de onde vem”. Neste percurso, onde fica nossa resiliência, nossa resistência à frustração?
E nesse turbilhão de informações podemos pensar em questões relativamente simples, mas que tem grande valia em nossa vida e nossas relações, como por exemplo: como eu venho utilizando o meu tempo? O que tenho feito por mim, para me agradar? O que tenho feito pela minha saúde física e emocional? Quem sou eu? Do que eu gosto? O que eu não tolero?

Quando entramos no automatismo deste mundo cheio de demandas urgentes, seguindo um fluxo desenfreado de ideias simplistas, geralmente nos esquecemos de nós mesmos, não nos olhamos (e não me refiro às muitas selfs que fazemos), não nos percebemos.
Nesse contexto, acabamos por ocupar um lugar sem significado, raso, e junto com este lugar mora o vazio.

A vida é feita dessa beleza infinita, desses altos e baixos que nos conduzem a lugares incríveis e que quando são tortos, se tivermos paciência, sempre nos deixam uma lição e nos fazem crescer como pessoas.

Como diz a composição de Gilberto Gil e Caetano Veloso, é preciso estar atento e forte!

Terapia envolve autoconhecimento. Você é um constructo das suas vivências, suas dores, seus amores, suas perdas, seus traumas. Seria improvável que um processo terapêutico te levasse a se conhecer e se reconhecer da noite para o dia. É improvável que alguém tenha uma fórmula pronta de “sucesso” para te entregar. Diferentemente disto, o processo terapêutico, como a nomenclatura já diz, é um processo! Um processo lindo e ao mesmo tempo doloroso de descobertas e caminhos que você pode nunca ter pensado. Um processo que caminha na contramão da pressa, das soluções imediatas e dos direcionamentos irresponsáveis.

Como saber o que você quer ou mesmo aonde “quer chegar ” sem se conhecer, sem saber do que você gosta ou mesmo no que você acredita?
Por tanto, ao invés de querer soluções mágicas e rápidas para situações complexas e duradouras, mergulhe no silêncio da contramão desse mundo ruidoso.

Não se preocupe ou se prenda ao tempo, não tenha tanta pressa, cuide antes de tudo de você.

Reconheça a beleza da sua existência e ressignifique dentro do que for possível para você o que lhe incomoda. Olhe para dentro e se reconstrua passo a passo neste processo transformador que é a terapia e aproveite sua vida real, com todos os altos e baixos que ela vem te oferecer.

Mariana Ferreira Garcia

Psicóloga - CRP: 05/59109

Compartilhe!

Posts recentes

Vamos conversar?

Entre em contato – por WhatsApp

Newsletter