Pensei em escrever sobre Liberdade, que significa o direito de agir segundo o seu livre arbítrio, de acordo com a própria vontade, desde que não prejudique outra pessoa, é a sensação de estar livre e não depender de ninguém. Liberdade é também um conjunto de ideias liberais e dos direitos de cada cidadão. 

Liberdade é classificada pela filosofia como a independência do ser humano, o poder de ter autonomia e espontaneidade. A liberdade é um conceito utópico, uma vez que é questionável se realmente os indivíduos tem a liberdade que dizem ter, se ela realmente existe ou não.

Sartre conceitua a liberdade como uma condição intransponível do homem, da qual, ele não pode, definitivamente, esquivar-se. Isto é, o ser- humano está condenado a ser livre e é a partir desta condenação à liberdade que o homem se forma. Não existe nada que obrigue o ser humano agir desse ou daquele modo. Para Sartre, “o homem não poderia ser ora livre, ora escravo: é inteiramente e sempre livre, ou não o é.”

A escolha, em última análise para Sartre (em muitas coisas), é do homem. Importante esta visão, pois é necessário ter em mente que a escolha, como a decisão, depende de você. Talvez em muitas vezes é preciso de uma rede para conseguir viver a escolha, mas basicamente para a escolha, é com você.  

Para Viktor Frankl, o homem se confronta com três formas básicas de influência condicionante sobre sua vontade livre: os instintos e o caráter (condicionamentos psíquicos); a hereditariedade e o corpo (condicionamentos biológicos); e o meio ambiente físico e social (condicionamentos sociológicos).

            Viktor propõe em seus estudos, um olhar da liberdade condicionada há alguns fatores que podem cercear, como uma doença, um crime e os padrões da sociedade.

Afinal somos livres?

            No mundo em que vivemos, com as amarras que levamos as culpas, os preconceitos e os preceitos que colecionamos é difícil pensar em liberdade.

A psicoterapia em uma de muitas de suas propostas, como: separar o que é seu e o que é do outro, reconhecer os seus desejos por vezes esquecidas, crenças que não condiz com aquilo que se vive e acredita. A terapia pode com as suas reflexões e ressignificações, aproxima mais do “eu”, chegando mais perto desta de ser livre.

“Quem anda no trilho é trem de ferro. Sou água que corre entre pedras – liberdade caça jeito” – Manoel de Barros.

Thelma Domingues

Psicóloga e Psicopedagoga Clínica - CRP: 05/56218

Compartilhe!

Posts recentes

Vamos conversar?

Entre em contato – por WhatsApp

Newsletter