Não é de hoje que o humano procura entretenimento. Desde as pinturas rupestres nas cavernas durante o período pré-histórico, as competições no Coliseu, passando pelas grandes peças clássicas de Shakespeare, a invenção do cinema, o sucesso das novelas brasileiras e, com o advento da internet, os serviços de streaming imperam com uma grande forma de entretenimento do mundo atual.

O entretenimento faz parte da cultura de um povo, ou seja, do conjunto de características que compõem a identidade daquela região. Pode se apresentar de diversas formas e tem como papel trazer emoções e sentimentos positivos, bem como servir para passar o tempo. Se mostra necessário para amenizar demanda do cotidiano.

Um dos pontos negativos que podemos listar é a alienação, onde as pessoas ficariam presas dentro da “bolha do entretenimento” e, consequentemente, se afastando das questões reais do cotidiano, como trabalho, saúde e relacionamentos. Isso pode ocorrer em qualquer mídia de entretenimento, mas como o ser humano é bastante impactado pelo visual, por imagens, as informações vão ser armazenadas mais facilmente e, dependendo do seu impacto emocional, podem se manter e retornar com maior facilidade nas diversas situações do cotidiano.

Outra questão é a influência da hegemonia norte americana ou europeia, que nos faz consumir culturas alheias e tentar se adequar a elas, ignorando a nossa própria cultura. Isso pode estar interligado também a questão da representatividade, ainda que melhorando, é comum vermos personagens padronizados que não representam a sociedade real, especialmente quando o entretenimento é importado. Mas é claro que as séries tem grandes pontos positivos. Elas permitem interação com histórias, ambientes e momentos que nós podemos já ter experimentado no mundo real, causando identificação, mas também com questões reais que nunca vivemos, nos apresentando novas experiências e abordagens e abrindo nossa visão de mundo e aprimorando nosso conceito.

Assim, também permite aflorar nossa imaginação e nossa criatividade nos mostrando histórias fantásticas que estão presentes desde a nossa infância, criando vínculo até mesmo pela nostalgia, nos permitindo revisitar bons momentos.

As séries também permitem interação com outras pessoas, sendo um ótimo quebra-gelo para interações socioculturais, já que atualmente alcança diversas faixas etárias, gêneros e grupos. Porém, vale lembrar que por se tratar de entretenimento, até mesmo a realidade apresentada nas séries pode conter pontos fantasiosos para temperar a experiência do expectador.

Pensar se deve ser utilizado ou não pode ser uma discussão em vão, já que se encontram cada vez mais firmes e fortes, com o número de usuários crescendo cada vez mais, ou seja, já são uma mídia de entretenimento sendo utilizada. Um pensamento que pode ser mais útil seria de como essas formas de entretenimento podem ser utilizadas além da diversão, acrescentando informação sobre diversos assuntos e ajudando as pessoas a organizarem suas opiniões sobre esses determinados assuntos.

Vale lembrar também que conter ensinamentos e informações produtivas, ainda que um fator importante e diferencial, é apenas um adendo da função do entretenimento, que é: fazer divertir. Dessa forma, devemos colocar na balança o que devemos perceber como apenas diversão e o que devemos aderir ou questionar.

Então pegue sua pipoca e vá assistir a sua série favorita, mas não se esqueça de comentar o que você acha que elas podem acrescentar no seu dia-a-dia.

Pedro Diniz Bernardo

Psicólogo - CRP: 05/48864

Compartilhe!

Posts recentes

Vamos conversar?

Entre em contato – por WhatsApp

Newsletter