De origem inglesa, a palavra burnout pode ser traduzida como “queimar-se por completo”. O termo foi criado pelo psicanalista alemão Herbert Freudenberger (1926-1999) em 1974. Nessa época, ele trabalhava 12 horas por dia em seu consultório e, à noite, chegava a atender até dez usuários de drogas por hora numa clínica para dependentes químicos. Vítima de esgotamento físico e mental, caiu de cama por conta de dessa Síndrome do Esgotamento Profissional.

A Síndrome de Burnout ou Síndrome do Esgotamento Profissional é um distúrbio emocional com sintomas de exaustão extrema, estresse e esgotamento físico, resultante de situações de trabalho desgastante, que demandam muita competitividade ou responsabilidade. A principal causa da doença é justamente o excesso de trabalho.

O Burnout passou a ser considerada doença ocupacional em 1º de janeiro de 2022, após a sua inclusão na Classificação Internacional de Doenças (CID), da Organização Mundial da Saúde (OMS). Na prática, isso significa que agora estão previstos os mesmos direitos trabalhistas e previdenciários assegurados no caso das demais doenças relacionadas ao emprego.

Os principais sintomas são:

  1. Sensação constante de negatividade: como se nada fosse dar certo;
  2. Cansaço físico e mental, constante e excessivo, difícil de recuperar;
  3. Falta de motivação e vontade para fazer atividades sociais ou estar com outras pessoas;
  4. Dificuldade de concentração no trabalho, tarefas diárias ou numa simples conversa;
  5. Falta de energia: cansaço excessivo, decorrente de um sono irregular, além de dificuldade para manter hábitos saudáveis, como ir à academia;
  6. Sentimento de incompetência: Algumas pessoas podem ter o sentimento de que não estão fazendo o suficiente dentro e fora do trabalho;
  7. Dificuldade para gostar das mesmas coisas:  a pessoa sente que já não gosta das mesmas coisas de que gostava anteriormente;
  8. Priorizar as necessidades dos outros à frente das próprias;
  9. Alterações repentinas de humor, com muitos períodos de irritação;
  10. Isolamento:  tendência em isolar-se de pessoas importantes na sua vida, como amigos e familiares.

O tratamento da Síndrome de Burnout é feito basicamente com psicoterapia, mas também pode envolver medicamentos. Normalmente surte efeito entre um e três meses de atendimento com um psicólogo, mas pode perdurar por mais tempo, conforme cada caso.


Mudanças nas condições de trabalho e, principalmente, mudanças nos hábitos e estilos de vida são essenciais. A atividade física regular e os exercícios de relaxamento devem ser rotineiros, para aliviar o estresse e controlar os sintomas da doença. 

Lembre-se: A palavra burnout pode ser traduzida como “queimar-se por completo”. Não é o que queremos. Certo?
Então, busque um profissional para te auxiliar nessa caminhada, caso sinta que esteja a ponto de “surtar”. A Clínica da Ponte está sempre à disposição para te ajudar caso esteja sofrendo com o Burnout, a Síndrome do Esgotamento Profissional.

 

Para mais informações, acesse nossa página do Instituto.

Thelma Domingues

Psicóloga e Psicopedagoga Clínica - CRP: 05/56218

Compartilhe!

Posts recentes

Vamos conversar?

Entre em contato – por WhatsApp

Newsletter